3 ferramentas e dicas para comprar passagens aéreas baratas

(FOTO: Unplash/ Suhyeon Choi)

O planejamento de uma viagem envolve várias etapas, mas uma das principais é a compra de passagens aéreas. Normalmente é o que mais pesa no orçamento e pode até ser um impeditivo para que a viagem ocorra. Mas não desanime! Mesmo com preços dinâmicos, é possível sim comprar passagens aéreas baratas.

Quer saber como? Então continue a leitura e descubra 3 ferramentas para economizar e viajar mais.

Ah, no final tem algumas dicas que comprovei por experiência própria, vale a pena ler tudo!

1. Passagens Imperdíveis

Se você tem flexibilidade para viajar, pode abrir uma aba no seu navegador para o site do Passagens Imperdíveis, seguir a conta no Instagram ou baixar o aplicativo porque essa plataforma faz jus ao nome. Cada vez que surge uma promoção sensacional de passagem aérea eles divulgam em primeira mão. São preços inacreditáveis, como R$ 400 de São Paulo para Colômbia, ida e volta.

O único porém é que os preços valem para um período específico. Ou seja, se você viu uma promoção irresistível, cheque as datas e os locais de partida disponíveis para saber se você se encaixa nessas condições. É muito válido para quem já estava pesquisando por um destino ou para quem tem disponibilidade financeira e de tempo.

Ah, é preciso raciocinar rápido, pois essas promoções duram pouco tempo. Então se você encontrar uma postagem dizendo “CORRE”, corra mesmo porque são passagens imperdíveis!

2. Skyscanner

O Skyscanner é uma plataforma de busca que inclui centenas de linhas aéreas, incluindo as low-cost — baixo custo. Ele reúne diversas informações de viagens para que o usuário encontre a opção ideal. Após selecionar a oferta que mais se encaixa nas suas necessidades, o site direciona para o fornecedor responsável, onde você pode concluir a reserva.

Mas essa não é a sua única vantagem, existem outras ferramentas que vão ajudar muito o seu planejamento. Confira.

Qualquer lugar: escolha o destino pela data

Sabe quando você pretende viajar mas ainda não escolheu o destino? Por exemplo, se você vai tirar férias em março e deseja fazer uma viagem incrível, basta usar a ferramenta “Qualquer Lugar”. Ela compara preços de diferentes destinos durante a mesma época.

Primeiro você inclui a cidade de partida e depois o período: mês inteiro, data específica ou mês mais barato. Em seguida aparece a estimativa de preços mais baixos encontrados nos últimos 15 dias. O primeiro resultado é com países, na ordem do mais barato para o mais caro.

Ao clicar no país desejado, vem a estimativa por cidades. Depois disso surgem as ofertas que direcionam para a página com opções de voos. Então é só escolher entre finalizar a compra em alguma operadora de turismo ou no site da própria companhia aérea.

Explore: escolha o destino pelo preço

Outra ferramenta interessante é a “Explore”, que reúne vários destinos possíveis para o seu orçamento. Trata-se de um mapa interativo em que você coloca a cidade de partida, o valor máximo que você pode pagar pela passagem e a época do ano desejada para a viagem. Então o site permite que você navegue pelo mapa que mostra todos os destinos disponíveis.

O site mostra tarifas de voos para os próximos 12 meses. As bolinhas verdes indicam cidades com preços mais baratos e as vermelhas com preços mais altos. Você pode fazer várias buscas em meses diferentes para encontrar a tarifa que cabe no seu bolso. Ao clicar no destino a plataforma indica os dias daquela oferta e em seguida direciona para a página das opções de voos.

Recursos extras

O site também mostra uma seleção de passagens aéreas baratas, geralmente para dois meses à frente. Outro recurso válido são os alertas de mudança de preços. Assim você pode acompanhar por e-mail as melhores tarifas do mês inteiro que pretende viajar. Tudo isso pelo site ou pelo celular, por meio do app Skyscanner.

3. Google Flights

Esse é o meu queridinho, rápido e prático. Ele é válido tanto por quem ainda está pensando no destino quanto para quem já decidiu, pois permite simular o preço de diversas formas. A interface é simples e requer menos cliques para dar informações sobre as passagens. Infelizmente ainda não criaram um app para o Google Flights, mas vale a pena usar o seu navegador para testar as possibilidades que ele oferece.

Ele reúne três funções principais: pesquisar voos, explorar mapas e preços rastreados. Você pode acessá-los pelo menu principal, localizado no canto superior esquerdo. Também é possível alterar o país, o idioma e a moeda que deseja ver os preços. E o melhor: diferente de outros buscadores, ele mostra o valor final da passagem com as taxas inclusas — ou seja, não há surpresas na hora de finalizar a compra.

Entre os seus principais filtros estão:

  • bagagens;
  • escalas;
  • companhias aéreas;
  • preço;
  • horários;
  • aeroportos de conexão;
  • duração do voo;
  • passagens separadas.

Como usar

Para pesquisar voos, basta inserir a cidade de origem e a de chegada e clicar no calendário ao lado para escolher a data que pretende viajar. Em seguida, aparecem os valores de passagens abaixo das datas. Os verdes são os mais baratos, fique de olho neles! Você pode filtrar a busca por ida e volta ou só ida; pela quantidade de passageiros e pela classe econômica.

Quando terminar de preencher esses campos clique em “pesquisa”. O site vai listar os voos disponíveis, indicando o tempo de duração, os aeroportos conectados, a quantidade e o tempo de escalas (se houver) e o preço das passagens.

Há uma seta ao lado do preço que mostra os detalhes do voo:

  • distância entre as poltronas;
  • troca de aeroporto ou aeronave;
  • tomada e saída USB no assento;
  • internet WI-FI ou streaming de mídia.

Quando encontrar a opção ideal, basta clicar em reservar com a companhia aérea e o site abre uma aba diretamente para o página da empresa, assim você pode concluir a compra. Escolha essa opção se quiser economizar, pois as operadoras de turismo que aparecem nos resultados podem cobrar taxas extras.

Extras

As outras ferramentas do Google Flights são as pesquisas para múltiplos destinos e as opções de viagens de acordo com as informações personalizadas do usuário. Ou seja, o site vai indicar destinos baseados nos seus interesses: praia, montanha, compras, cultura, etc. Também há um mapa interativo na ferramenta “Qualquer destino”. Como o site é bastante intuitivo garanto que você não terá dificuldades em usá-lo.

Dicas pessoais para comprar passagens aéreas baratas

(FOTO: Unplash/ Raw Pixel)

Conforme prometido, vou dar algumas dicas que aprendi ao pesquisar passagens. Com paciência e prática eu já consegui comprar voos muito baratos, como Fortaleza — Rio de Janeiro (ida e volta) por R$ 250 e Fortaleza — Recife (ida e volta) por R$ 160. Se procurar bem, sai mais barato do que viajar de ônibus.

Primeiro de tudo, você precisa estar aberto às possibilidades e pesquisar bastante. As três ferramentas indicadas neste texto ajudam muito, mas existem alguns detalhes que melhoram ainda mais os resultados, veja a seguir.

Pesquise sempre com janela anônima

Nós sabemos que os sites não nos dão informações de graça, então navegue sempre com janela anônima. Dessa forma, você evita propagandas indesejadas, cookies e preços mais caros do que o normal. Use o atalho Ctrl + Shift + N para fazer suas pesquisas de passagens aéreas baratas.

Escolha ida e volta pelo mesmo lugar

Essa dica é para quem faz mochilão e viagens longas: entrar e sair pelo mesmo lugar geralmente sai mais barato do que comprar a ida por um lugar e a volta por outro. Um único bilhete também é melhor do que bilhetes separados pois facilita a comunicação e a negociação com a companhia em caso de imprevisto.

Seja flexível com datas e horários

Os voos semanais são mais baratos do que no final de semana. Terça e quarta-feira são os dias mais baratos e podem garantir até 11% de economia. O dia mais caro é o sábado.

O horário do voo também interfere no preço final. O melhor horário é à noite, a partir das 18h; pela manhã as tarifas são mais altas. Viajar de madrugada também pode garantir uma boa economia.

Compre com antecedência

Pesquisar com antecedência facilita o planejamento da viagem, a criação do roteiro e, claro, a compra de passagens aéreas baratas. Se possível, comece a pesquisar 4 meses antes. Esse período permite que você acompanhe as mudanças de preços e encontre tarifas mais acessíveis.

Uma pesquisa da Momondo revela que é possível economizar até 28% comprando a passagem 56 dias antes do embarque. Também vale a pena realizar a compra durante os sábados e domingos pois esses são os dias que as companhias aéreas costumam realizar promoções.

Aproveite as promoções relâmpago

Parece óbvio, mas muitas não damos importância para promoções e deixamos passar uma oportunidade que fará falta mais na frente. Portanto, assine a newsletter das companhias aéreas de sua preferência. Talvez a passagem que você tanto deseja pode está na sua caixa de e-mails e você nem imagina.

Então, gostou das dicas para comprar passagens aéreas baratas? Economizar e viajar parecer difícil, mas não é. Quanto antes você começar a planejar e pesquisar de forma independente mais rápido você terá melhores soluções para as suas compras. No fim, você terá orgulho de si mesmo por encontrar uma opção mais econômica e ficará mais motivado para viajar.

E você, já utilizou alguma dessas ferramentas ou prefere outra? Conte a sua experiência aqui nos comentários.

Já pensou em viajar para a Islândia? Cearenses mostram tudo sobre a terra do fogo e do gelo

A Islândia é conhecida por suas condições extremas: são 102 km² de paisagens vulcânicas e glaciais, além de pedras, geleiras, placas tectônicas, fiordes, cachoeiras e águas termais. Viajar para a Islândia é estar preparado para uma instabilidade climática que virou até ditado popular: “Se você não gosta do tempo na Islândia, espere cinco minutos”.

Mas a maior vantagem do lugar é o contato com o poder magnífico da natureza, que rende belas imagens. E foi com esse objetivo que o casal de fotógrafos Fábio Arruda e Viviane Mesquita saiu do Ceará para conhecer e captar imagens desse país tão impressionante!

Quer saber o que eles registraram por lá e descobrir curiosidades da Islândia? Então continue a leitura!

FOTO: Impressões de Viagem

Impressões de Viagens na Islândia

O Impressões de Viagens é um projeto fotográfico e audiovisual que busca conhecer, aprender e apresentar paisagens de natureza surpreendente e espetacular. Comandado pelo fotógrafo Fábio Arruda e sua esposa, também fotógrafa, Viviane Mesquita, o projeto é multiplataforma: tem site, fanpage, youtube e instagram.

O objetivo é unir fotografia, ecologia e viagens, com produções que promovem a sensibilização ambiental, mostrando as belezas dos biomas, as culturas e a riqueza natural do planeta.

E o que o projeto foi fazer na Islândia? Quem responde é o próprio Fábio: “A Islândia, inicialmente, era um sonho da Viviane que não demorou muito se tornar um sonho nosso. Conhecer a ilha mais viva da terra, de natureza bruta e intensa gerou um obsessão que passamos a compartilhar”.

Já consegue imaginar o nível das fotos e vídeos captados? Então veja esse teaser de 1 minuto antes de ler a descrição dessa incrível experiência:

A viagem

Fábio e Viviane saíram do Brasil em um voo direto Fortaleza – Frankfurt (Alemanha). Depois seguiram para Reykjavík, capital da Islândia. O casal teve o patrocínio de duas empresas durante a estadia na Islândia.

Northbound viabilizou a internet para o casal em todo o território da ilha com um chip internacional. Já a Happy Campers forneceu acessórios necessários para a viagem e um veículo adaptado para o país: nele é possível dormir, cozinhar e trabalhar durante o deslocamento. E o melhor: o carro também tem conexão com a internet!

O aluguel desse tipo de carro é muito utilizado por turistas na Islândia, pois além de econômico, permite conhecer diversos lugares sem precisar parar para realizar procurar por hotéis, restaurantes e  transporte local. As estradas são bem sinalizadas, portanto fica fácil dirigir. A não ser em casos de tempestades de neve, como Fábio e Viviane enfrentaram. Mas nada insuportável, o fenômeno da natureza só deixou a viagem mais emocionante.

A preparação

A ilha por si só já é uma grande atração, portanto é importante definir o que deseja conhecer antes mesmo de conhecer o país. O planejamento da viagem durou 6 meses, incluindo muitas pesquisas:

  • estudo sobre a geografia local e clima;
  • preparação financeira;
  • escolha dos pontos de interesse;
  • logística de deslocamentos;
  • período (eles escolheram a primavera);
  • simulações no Google Maps;
  • criação de um roteiro geográfico.

Mesmo com toda essa preparação, Fábio e Viviane foram surpreendidos com algumas mudanças bruscas de temperatura e deixam um recado: “não subestimem o clima da Islândia”.

A adaptação ao clima e à gastronomia

De acordo com o casal, a maior dificuldade foi com o clima imprevisível do país. Devido à neve, chuvas e vento forte encontraram algumas dificuldades na estrada e para utilizar o drone. Também precisaram comprar roupas especiais para suportar as baixas temperaturas.

E a gastronomia seria a segunda dificuldade, caso não tivessem pesquisado antes e constatado que a alimentação na Islândia é muito cara e poderia até inviabilizar a viagem. Por isso, escolheram uma campervan como meio de hospedagem e abasteceram o carro com massas, molhos, frios e snacks. A qualidade da comida islandesa foi uma surpresa para eles.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A experiência

Das vivências adquiridas, a mais marcante foi o contato com a natureza bruta da ilha, praticamente intocada em alguns pontos. Conviver com os elementos terra, fogo, ar e água de forma intensa, além de percorrer um país com geografia que remete a eras geológicas do planeta foi fascinante para o casal. Entre as atividades mais inesquecíveis estão:

  • andar por crateras de vulcões;
  • ver atividades geotermais;
  • assistir à água brotando do chão com temperatura de até 100 ºC.

O contato com os animais

Captar imagens da vida selvagem é uma das maiores motivações do Impressões de Viagens. Portanto, prepare-se para ver muitos animais nas imagens registradas. Na Islândia, foi possível registrar algumas aves marinhas, como os puffins (Fratercula) — a espécie também é conhecida como papagaio-do-mar.

Foi uma aventura a parte chegar até seus ninhos, eles se encontram na ponta mais oeste da ilha, portanto o extremo oeste da Europa, em um fiorde chamado de Látrabjarg. Um dos bichos mais lindos que tive o prazer de ver e fotografar”, confessa Fábio Arruda.

Outros animais que o casal teve contato foram os cavalos islandeses, espécies descendentes dos cavalos vikings, e a raposa do ártico — único mamífero terrestre que conseguiu chegar à ilha em sua formação, todos os outros foram introduzidos pelo homem. “A Viviane viu uma dessas raposas quando estávamos atravessando os fiordes, foi muito rápido e não deu tempo parar e tentar fotografar, fica para próxima”, comenta.

A estratégia de viagem

Como expliquei no início do texto, o planejamento é primordial para realizar uma viagem. Os interesses precisam estar bem definidos para construir um roteiro específico para os seus interesses. Fábio e Viviane programaram a ida pra Islândia durante a primavera e por isso não puderam ver a famosa e desejada Aurora Boreal, que fica mais visível no inverno.

Mas isso não foi um problema porque já tinha sido previsto e é daí que vem o grande ensinamento para os viajantes: foque no que realmente importa para você. Não crie um roteiro baseado apenas em pontos turísticos, escolha lugares que você tem interesse em conhecer, que vão trazer algum aprendizado ou que façam parte de algum desejo ou curiosidade sua. Afinal de contas, a viagem tem que ser uma experiência boa para você. Foque no te faz feliz e divirta-se, assim como Fábio e Viviane fizeram.

“Foi uma questão de escolha durante o planejamento. Seria muito mais difícil viajar no inverno e descobrimos que a ilha é surpreendente e que teriam várias outras paisagens que são impossíveis no inverno. Mas temos a intenção de voltar especificamente para ver a aurora boreal”, explica Fábio.

Vlog criado para mostrar como é viajar para a Islândia

As imagens captadas renderam várias fotos e 17 vídeos que estão disponíveis no Youtube. Reuni uma lista com todos para ficar mais fácil de assistir, confira:

  1. Islândia, do sonho à realidade na terra do gelo
  2. Vamos morar no carro, Happy Campers na Islândia
  3. Aventura começou | Rodando pela Islândia
  4. Westfjords, nevaska e puffins | Rodando pela Islândia
  5. Acordamos cobertos de neve! Cruzando os Westfjords | Islândia
  6. Linda cachoeira e sufoco na estrada… Cruzando os Westfjords | Islândia
  7. Saindo do Westfjords | Rodando pela Islândia
  8. A cachoeira dos Deuses, Goðafoss | Rodando pela  #Islândia
  9. Subimos no vulcão! 😱 | Rodando pela #Islândia
  10. Surpresas nas estradas | Rodando pela #Islândia
  11. Tour pela campervan #happycampers | Rodando pela #Islândia
  12. Camping com vista para cachoeira, que tal? | Rodando pela #Islândia
  13. CONTEMPLAÇÃO! Skogarfoss & PlaneWreck |Rodando pela #Islândia
  14. Dia de sol e céu azul | Rodando pela #Islândia
  15. Entre placas tectônicas | Rodando pela #Islândia
  16. Melhor banho da viagem – Blue Lagoon | Rodando pela #Islândia
  17. Islândia em 1 min!! Do sonho a realidade na terra do gelo

Curiosidades sobre a Islândia

Se você chegou até aqui e viu algumas imagens sobre a Islândia, já percebeu que apesar de pouco divulgado e explorado, esse país tem muito a oferecer aos seus visitantes. Mas além das belezas naturais, há muitas características peculiares que valem a pena conhecer. Veja 10 curiosidades sobre a ilha:

  • a Islândia tem o mesmo tamanho que a Inglaterra;
  • apesar de ser conhecida como a terra do gelo, as temperaturas da ilha variam entre -2ºC a 15ºC;
  • durante o solstício de verão no Hemisfério Norte, os dias têm até 21 horas de sol, fenômeno chamado como sol-da-meia-noite, ele se põe à meia-noite e amanhece às 3 horas da madrugada;
  • o país tem duas placas tectônicas: a norte-americana e a euroasiática;
  • um de seus artistas mais conhecidos é a cantora Björk;
  • as paisagens da Islândia já serviram de set de filmagem para grandes produções como Game of Thrones, Batman Begins, Interstellar e Thor: o mundo sombrio;
  • na década de 60 o lugar já foi usado pela Nasa para treinamento do programa espacial da Apollo;
  • a maioria das pessoas não tem sobrenome, geralmente apenas o nome do pai ou da mãe com algum sufixo é utilizado para complemento;
  • a maioria da população acredita em elfos;
  • um em cada 10 habitantes da Islândia já publicou um livro.

Viajar para a Islândia é conhecer um mundo totalmente novo, desde a geografia local, natureza até à convivência com os nativos. Já pensou conversar com alguém que já escreveu um livro em uma ida despretensiosa ao supermercado? Na Islândia é possível. Se por um lado, o país é uma verdadeira biblioteca a céu aberto para estudiosos, cientistas e pesquisadores, para os turistas a Islândia é um verdadeiro parque de diversões!

Já tá se imaginando na ilha? Então comece aprendendo o vocabulário: use “godan daginn” para dizer bom dia e “takk“para obrigado. E para ver mais imagens incríveis, siga as redes sociais do Impressões de Viagens. Há conteúdos em várias plataformas: site, fanpage, youtube e instagram.

Cearense relata experiência de largar tudo para morar na Irlanda

Imagine você, que tem um sonho de aprender a língua inglesa, largar um emprego estável, a família e os amigos para se arriscar em um país que não conhece. O que para muitos poderia ser loucura, para Napoleão Fonteles foi realidade. Há quatro anos saiu do Bairro Messejana, em Fortaleza, para morar em Dublin, onde já passou por diversos empregos, melhorou o inglês, mas não pensa em voltar para o Brasil.

Escolheu a Europa pela facilidade de visitar outros países. Para conseguir realizar a viagem,  pensou em vender água nos semáforos de Messejana, bairro que morava em Fortaleza. Mas optou por um alimento que pudesse ser vendido por ele e amigos que se solidarizassem à causa, então aprendeu a fazer brownie e o vendia por onde passava. Em pouco tempo conquistou o objetivo e iniciou a etapa do intercâmbio.

O período de adaptação foi complicado porque nunca havia morado só ou mesmo se preocupado com contas para administrar. Dividiu a casa com quatro pessoas e teve que buscar equilíbrio para aprender a lidar com as diferenças. Outro desafio era encontrar produtos que não eram comuns, como requeijão. “Um dia eu descobri que tinha em um mercadinho indiano. Foi muito engraçado, porque não imaginava que ía achar lá, e também era muito caro”, relembra.

Adaptação

A primeira aula no curso de inglês causou medo. Havia pessoas de diversos países e, por não entender bem o que conversavam, o cearense pensou em desistir. “Era gente da Venezuela, da Coréia, alguns brasileiros. Na primeira semana eu fiquei muito aterrorizado. Pensei em voltar pro Brasil e sair correndo, mas vi que eu tinha que encarar”.

Napoleão trabalhou em restaurantes Irlandês e Francês, no Estádio Aviva, em cozinha de golfe, academia e também foi kitchen porter (lavador de pratos) no Google. No início, trabalhou de graça durante um mês em um hotel, em troca de comida e certificado.

Enfrentou preconceito por ser brasileiro em alguns momentos, mas ao trabalhar como Rickshaw – uma espécie de táxi usando uma bicicleta – era cumprimentado com muita alegria ao apresentar-se como brasileiro e até cearense.

Empolgado com a energia dos clientes, ele gravou vídeos e publicou na internet. Em um deles, um grupo de irlandeses canta a música “Ai, se eu te pego”, do cantor Michel Teló logo após saberem a sua nacionalidade. E mais inusitado ainda, um argentino cantou a música “Morango do Nordeste”, de Lairton dos Teclados

Até o momento já visitou seis países, nove cidades e o campo de refugiados em Auschiwitz, onde teve uma experiência marcante. “Eu ouvia que não tem como não se colocar no lugar daqueles judeus. Foi bastante forte quando eu entrei em uma das salas onde são mantidos os cabelos das mulheres, que eram cortados quando elas chegavam no campo. A parte dos brinquedos das crianças também me marcou”, relata.

A seguir, o cearense relata peculiaridades sobre viver em Dublin.

Festa tradicional irlandesa. (FOTO: arquivo pessoal)

Festa tradicional irlandesa. (FOTO: arquivo pessoal)

De acordo com a sua experiência, qual o tempo necessário para aprender inglês morando na Irlanda?

Depende do nível de inglês que cada um tem e da sua disposição. Mas acredito que, no mínimo, um ano, sendo seis meses de curso e seis meses trabalhando.

Como é ser um brasileiro na Irlanda?

A população brasileira aqui em Dublin, se eu não me engano, é a maior. Em todo canto que for, tem muitos brasileiros. Mas existem muitos irlandeses e gringos que quando conhecem um brasileiro ficam muito felizes. Ao mesmo tempo tem uns caras que fazem aquela brincadeira “ah, brasileiro, tem as mulheres mais gostosas”, perguntam se só é carnaval.

Se sentiu excluído por ser brasileiro?

Algumas vezes. Uma delas foi quando eu estava trabalhando em um restaurante francês e um dos garçons me olhou com uma cara de desprezo quando disse que era brasileiro. E continuou: “ah, você é do Brasil, mas pelo menos é de São Paulo”. Eu disse que não, que era do nordeste. Aí ele fez outra cara de desprezo e começou a debochar de mim.

Já fui agredido por um grupo comum em Dublin, parecido com os “vetim” de Fortaleza. Eles costumam agredir verbalmente e até fisicamente os estrangeiros. Foram situações que me deixaram chateado, mas nada que eu pense “ah, vou voltar para o Brasil”. No geral, amo essa cidade, amo esse país.

Na outra semana aconteceu algo mais triste. Eu estava voltando do trabalho umas 23h e uma irlandesa me parou, pedindo para eu dar dinheiro para um mendigo. Eu falei “infelizmente eu tô sem grana”. Ela me xingou e disse “você é uma merda (sic) de um estrangeiro”, como se eu tivesse obrigação de dar o dinheiro só por estar no país dela.

Quando ela falou isso, eu fiquei muito triste, me sentindo muito mal. Mas sei que não posso generalizar, o povo irlandês não é desse jeito, eles são muito amigáveis e simpáticos.

Vivenciou histórias engraçadas?

São dois lados da moeda, tem uma galera que fala mal do Brasil e tem a que ama o Brasil. Quando eu trabalhava como rickshaw [táxi de bicicleta], dei carona para uma holandesa e ela perguntou de onde eu era. Quando eu falei que era do Ceará, ela disse: “Nossa, eu não acredito! Do Ceará? Eu passei 18 dias em Jericoacoara, você provavelmente vivia lá”. Eu nunca fui em Jericoacoara!  A mulher quase que me batia depois dessa. (risos)

Outra vez dei carona para um argentino e quando eu falei que era do Ceará, ele falou: “Não acredito! Eu amo o Nordeste, eu sou o argentino mais brasileiro do mundo! Eu amo o moranguinho do nordeste. E eu “como é, velho”? Daí ele começou a cantar, foi muito engraçado.

Recomenda a experiência para outros brasileiros?

Recomendo pra todo mundo, jovem, adolescente, idoso. O ponto positivo é que você vai ver que o mundo é muito pequeno pra você ficar no mesmo canto pra sempre, sem expandir. O ponto negativo é que você vai querer sempre viajar. Quando você mora em um lugar onde as coisas funcionam, você pensa “poxa vida, porque não pode ser assim no Brasil”?