Posts

Plantação de café no Sítio São Roque. (FOTO: Jonas Loongreen)

Turismo sustentável: Guaramiranga lança Rota do Café Verde

Guaramiranga recebe a Rota do Café, com a proposta de levar visitantes para conhecerem as fazendas e sítios dos produtores do café de sombra, num passeio pela história, arquitetura e pelos atrativos naturais da serra, além de desfrutarem do café e outros quitutes regionais. Haverá visita aos principais pontos de produção: Baturité, Mulungu, Guaramiranga e Pacoti. O ponto de partida é a Estação Ferroviária de Baturité, que abriga o Museu Municipal, passando por diversos sítios, com casarões, trilhas e vistas de beleza única.

A rota, voltada para o desenvolvimento sustentável da cafeicultura local, foi lançada durante o Viva Guará, que aconteceu de 27 a 29 de novembro de 2015. A ação  consiste em um tour temático, com visitas aos locais onde se está revitalizando a produção do café de sombra, de produção agroecológica.

Jardins, pássaros e um casarão autêntico compõem o cenário da propriedade São Roque. (FOTO: Jonas Loongreen)

Jardins, pássaros e um casarão autêntico compõem o cenário da propriedade São Roque. (FOTO: Jonas Loongreen)

Mais do que um agradável passeio para admirar a arquitetura preservada, em contato com a natureza e desfrutar da calmaria da serra, a rota promove um resgate da história do Ciclo do Café na região, sendo uma oportunidade para conhecer o processo de beneficiamento do café, além de provar doces de frutas e bolo de café, e comprar produtos orgânicos, incluindo o café.

Sobre a Rota do Café

Consumir café é tradição e geração de riquezas. Um dos produtos mais importantes da história nacional, movimenta milhões de sacas exportadas ao ano, respondendo por um terço da produção mundial. Nas últimas décadas, um novo ingrediente vem se misturando ao café brasileiro: a preservação do meio ambiente.

No Ceará, a revitalização da cultura do café sombreado de prática agroecológica vem evoluindo em volume de produção, evitando o processo de degradação do solo, contribuindo com a preservação da mata nativa e evitando o assoreamento dos rios. Na Serra de Baturité – 100 km de Fortaleza, encontramos uma produção de café sombreado de importância ambiental e socioeconômico.

O Sítio São Roque cultiva café desde 1813. (FOTO: Divulgação)

O Sítio São Roque cultiva café desde 1813. (FOTO: Divulgação)

Principais pontos da Rota do Café Verde

Museu de Baturité

O Prédio da antiga Estação Ferroviária de Baturité abriga o Museu Municipal com acervo pertencente aos trens e ao complexo ferroviário e ainda mobiliário e objetos das antigas residências da região que remontam o contexto histórico social do início do Século 20. Comemorando o lançamento da rota, a Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA) também traz uma exposição itinerante do seu Centro Cultural.

Museu de Baturité. (FOTO: divulgação)

Museu de Baturité. (FOTO: divulgação)

Fazenda Caridade e Mosteiro dos Jesuítas

No local, os visitantes têm a oportunidade de conhecer uma edificação religiosa majestosa com vista panorâmica do Maciço de Baturité, além de avistar a Fazenda Caridade, um verdadeiro cartão postal do plantio do café sombreado. Pela sua importância para a região, o café sombreado ganha uma exposição permanente e pode ser adquirido na lojinha do Café do Mosteiro.

Mosteiro dos Jesuítas. (FOTO: divulgação)

Mosteiro dos Jesuítas. (FOTO: divulgação)

Sítio Águas Finas

Onde os visitantes começam, então, a percorrer os cafezais de sombra da Serra. Pela trilha, será revelada toda a história das primeiras mudas que aqui chegaram até seu atual processo de revitalização, além do contato com a fauna e a flora local. No sítio, se produz o Café Guará pelas mãos da tradicional Família Uchôa.

Trilha do café no Sítio Águas Finas. (FOTO: Rosana Romão)

Trilha do café no Sítio Águas Finas. (FOTO: Rosana Romão)

Sítio São Roque

Jardins, pássaros e um casarão autêntico ladeado pela capela em homenagem a São Roque compõem o cenário que os visitantes encontram ao chegar na propriedade São Roque, que data de 1813, e conta ainda com um terreiro – chamado de faxina – onde o café era posto pra secar.

Há quase um século no cultivo do café, o proprietário Gerardo Farias, recebe os visitantes contando sua jornada na preservação do meio ambiente com centenas de pés de café em meio às ingazeiras. Um dos talentos do São Roque é Marcinha, craque nos doces mexidos no tacho mexido e no fogão à lenha, feitos com as frutas do sítio.

Plantação de café no Sítio São Roque. (FOTO: Jonas Loongreen)

Plantação de café no Sítio São Roque. (FOTO: Jonas Loongreen)

Sítio Floresta

No Floresta, o passeio irá mostrar todas as etapas do processo de beneficiamento do café de sombra, desde o banco de mudas, passando pela piladeira até a torra de grãos. O sítio produz uma linha de produtos naturais, derivados do café e da banana. O anfitrião é o proprietário João Caracas, que também é de família tradicional e entende tudo de café.

Café da manhã no Sítio Floresta. (FOTO: Rosana Romão)

Café da manhã no Sítio Floresta. (FOTO: Rosana Romão)

Sítio São Luís

Erguido pelas mãos de arquitetos holandeses, o casarão se tornou exemplar único na região com suas arcadas imponentes que guardam toda história das famílias pioneiras do cultivo do café. É cercado por uma mata sem igual numa paisagem que já foi cenário de vários filmes. Portas, azulejos, pinturas, móveis e uma cozinha que remontam os tempos áureos do Ciclo do Café. A proprietária Cláudia Góes revela essa trajetória e convida os visitantes para provar do famoso bolo de café, de receita centenária.

Sítio São Luís, que já foi cenário de filme. (FOTO: divulgação)

Sítio São Luís, que já foi cenário de filme. (FOTO: divulgação)



“A nossa participação no Viva Guará esse ano, evento que promove anualmente uma imersão nas potencialidades da Serra de Baturité para o fomento do Turismo Sustentável, tem como objetivo compartilhar com as comunidades locais e seus visitantes os resultados das ações de integração e qualificação no setor de produção do café verde, capaz de provocar um impacto ambiental e socioeconômico relevante e positivo para toda a região”, destaca Fabiana Gizele, articuladora do escritório regional do Maciço de Baturité do SEBRAE Ceará.